Curso de Medicina fecha parceria inédita com Sociedade Brasileira de Mastologia


  • 26 de Outubro de 2020

O Curso de Medicina da UnC é um dos parceiros do Movimento Rosa, projeto promovido pela Sociedade Catarinense de Mastologia que irá realizar atendimento gratuito às mulheres acima dos 40 anos com dificuldade de acesso ao sistema de saúde.

O Movimento Rosa visa reduzir o número de mulheres que deixaram de realizar o exame de rotina durante a pandemia, índice que chega a 75%. O câncer de mama é uma doença muito séria e comum entre as mulheres. Com o diagnóstico precoce há maiores chances de cura. Segundo a professora, Daniela Ávila Nesello, médica ginecologista, os atendimentos às pacientes inscritas no projeto serão realizados na Escola de Medicina por professores e alunos (foto). “O Curso de Medicina está participando da iniciativa através de um projeto de extensão, prestando um serviço fundamental e gratuito à comunidade”. A Dra. Daniela explica ainda que as pacientes serão direcionadas até à Escola de Medicina para consulta e análise da mamografia. “A partir do resultado da mamografia a paciente será encaminhada para a realização de novos exames ou retorna ao posto de saúde”, coloca.

O Movimento Rosa terá duração de 6 meses, e os atendimentos na UnC iniciam nesta semana. A campanha atinge as cidades da Grande Florianópolis, Tubarão, Blumenau, Itajaí, Lages, Chapecó, Criciúma, Mafra e Joinville, com a participação de clínicas, médicos e laboratórios com o propósito de prevenir e diagnosticar precocemente o câncer de mama em Santa Catarina.

O Coordenador do Curso de Medicina da UnC, Dr. Vagner  Marcolin Trautwein, destaca que serão atendidas mulheres de toda a região do Planalto Norte cadastradas no programa, e contarão com a orientação de especialistas, incluindo fisioterapeutas e psicólogos da UnC.  “A iniciativa comprova que nossas atividades não ficam restritas aos muros da escola médica, mas sim estimulamos projetos de extensão e pesquisas em prol da comunidade – um dos pilares da UnC e do Curso de Medicina”, observa.