Cenpaleo recebe visita de alunos de Turismo da UFPR

11 de maio de 2015 | Deixe um comentário

Os alunos do curso de Turismo da UFPR visitaram o Centro Paleontológico (Cenpaleo) da UnC, como parte integrante das atividades da disciplina Interpretação do Patrimônio, ministrada pela professora Letícia Nitsche. O objetivo foi conhecer o Patrimônio Natural Paleontológico de Mafra e analisá-lo sob a ótica turística.

Na ocasião os alunos foram recepcionados pelo Coordenador Cenpaleo, professor Dr. Luiz Weinschütz e pela Assessora Administrativa e Pedagógica professora Eliane Vila Lobos Strapasson, quando receberam informações sobre o Patrimônio Paleontológico da região, a história do Cenpaleo e o trabalho desenvolvido para promover a pesquisa, a educação e a preservação do patrimônio natural.

Além das instalações do Museu da Terra e da Vida, os visitantes também conheceram o sítio paleontológico, localizado no Campo da Lança, na BR 280, onde são encontrados fósseis marinhos, com aproximadamente 300 milhões de anos.

Os visitantes ficaram surpresos e impressionados com o patrimônio existente no município de Mafra e com o trabalho desenvolvido pela equipe do Centro, visando à preservação desse patrimônio. A professora Letícia Nitsche disse que o grupo pode presenciar a grande responsabilidade do Cenpaleo em proteger o patrimônio paleontológico e procurar difundi-lo ao público. “Observamos também o compromisso constante com a pesquisa e o entusiasmo nas novas descobertas que a equipe faz a cada dia”. Além disso, ela destacou que, turisticamente, foi importante observar que o Centro tem potencial para receber investimentos em infraestrutura para facilitar a interpretação do patrimônio para os visitantes, incluindo também o público que não se enquadra na categoria de estudantes, com intuito de proporcionar uma visita mais independente e ao mesmo tempo interativa.

Para tal, haveria necessidade do desenvolvimento de uma pesquisa sobre interpretação do patrimônio para o turismo. “Ficamos impressionados com os conhecimentos que o Prof. Dr. Luiz Carlos pode nos transmitir sobre o acervo”.

 

Deixe seu comentário