26 ago

Os pesquisadores do Centro Paleontológico (CENPALEO) da Universidade do Contestado, Universidade de Alberta (Canadá) e Museu Nacional (UFRJ), anunciaram hoje a descoberta de um inédito fóssil para o Brasil.

A pesquisa foi publicada hoje na revista NATURE Comunication.  Trata-se de um lagarto com aproximadamente 80 milhões de anos, encontrado na cidade de Cruzeiro do Oeste, no estado do Paraná, denominado de Gueragama sulamericana.

Gueragama_Csotonyi_final JPEG

Segundo o geólogo Dr. Luiz Carlos Weinschütz, do CENPALEO da Universidade do Contestado, campus de Mafra, coordenador dos trabalhos de campo, “ entre 87 a 75 milhões de anos, grande parte do centro – oeste, sudeste e sul do Brasil compunham um grande deserto, conhecido hoje na comunidade geocientífica como “Deserto Caiuá”, onde esta espécie habitava o entorno de possíveis áreas úmidas, como oásis, convivendo com tapejarídeos (grupo de pterossauros) como a espécie Caiuajara drobuskii , descrita para o mesmo local” . Esporadicamente chuvas tempestuosas assolavam o local e carreavam ossos, carcaças de animais e sedimentos para o fundo destes lagos de forma caótica, causando a desarticulação dos esqueletos e seu empilhamento desordenado, dificultando assim a identificação.

Para o paleontólogo do CENPALEO, MSc. Everton Wilner, “a qualidade de preservação do exemplar, que é composto por uma mandíbula esquerda com dentes medindo aproximadamente 18 mm em seu comprimento maior, e outros pequenos fragmentos de maxila e dentes, compõem uma das amostras de idade cretácea mais completa para este grupo. Tal fato possibilitou, além da descrição de uma nova espécie a construção de um estudo filogenético completo”.  O professor Everton ainda ressalta que graças a esse tipo de integração que há entre universidades brasileiras e estrangeiras é possível desenvolver com grande envergadura o entendimento sobre o passado da vida na Terra, visto que cada especialidade dentro da paleontologia é bem vinda para a construção do conhecimento, não apenas acadêmico-científico, mas também social.

O professor Dr. Luiz Carlos destaca que os especialistas em répteis da Universidade de Alberta (em Edmonton, Canadá) Tiago Rodrigues Simões (aluno de doutorado) e o Dr. Michael Caldwell, foram fundamentais para a caracterização paleobiológica e filogenética desta nova espécie, que apresentava um tamanho aproximado de 15 cm, e provavelmente viviam em tocas neste deserto durante boa parte do dia.

A Reitora, professora Solange Sprandel da Silva, parabenizou os pesquisadores geólogo Dr. Luiz Carlos Weinschütz e paleontólogo MSc. Everton Wilner, do CENPALEO pela descoberta importante na Paleontologia brasileira: UM LAGARTO DO VELHO MUNDO NUM ANTIGO DESERTO DA AMÉRICA DO SUL com ​mais ​ de 80 milhões anos. ” Mais uma vez a pesquisa realizada na UnC se destaca em nível internacional​”, afirma a Reitora.​

A nova espécie foi denominada de Gueragama sulamericana, que significa Guera = antigo, agama = gênero feminino e sul americana = proveniente da América do Sul.

A descoberta foi realizada no Município de Cruzeiro do Oeste, noroeste do Estado do Paraná, Brasil, com idade aproximada de 80 milhões anos (Cretáceo superior).

A descoberta de Gueragama sulamericana é de extrema significância por três motivos principais:

1- Um dos maiores grupos de lagartos viventes são os lagartos iguanídeos (representados por mais de 1.700 espécies viventes, mais as fósseis). Este se divide entre os iguanídeos Acrodonta (informalmente, acrodontes), que existem atualmente apenas nos continentes do Velho Mundo, e nos iguanídeos não-acrodontes, que habitam predominantemente as Américas (além de Madagascar e algumas ilhas do Oceano Pacífico). G u e r a g a m a s u l a m e r i c a n a é um lagarto acrodonte, sendo, portanto, o primeiro registro (fóssil ou vivente) de todo este grupo de répteis na América do Sul.

2- Os fósseis mais antigos de acrodontes têm cerca de 180-160 milhões de anos (MA) e foram encontrados na Índia, que fazia parte do antigo supercontinente de Gondwana (juntamente com as atuais massas de terra do hemisfério sul). Este grupo se dispersou pela Ásia durante o Cretáceo Superior (83-66 MA), e muito posteriormente (durante o Cenozóico, entre 66 MA atrás até o presente), pelo resto do Velho Mundo (África e Europa). A descoberta de Gueragama sulamericana indica que a dispersão deste grupo de répteis pelo hemisfério sul se deu muito antes do que se imaginava, e que os acrodontes alcançaram uma distribuição em escala global antes do Cenozóico.

3- A origem da fauna de lagartos e serpentes da América do Sul, importantes componentes da biodiversidade atual deste continente, continua um mistério. Porém, a descoberta de Gueragama sulamericana ajuda a compreender um pouco mais dessa origem. Gueragama sulamericana indica que, pelo menos parte desta fauna primitiva de lagartos sul americanos eram mais proximamente relacionados a grupos que hoje estão em outros continentes, do que a grupos atualmente habitando o Brasil e o resto da América do Sul.

APOIO MUSEU NACIONAL

Neste estudo também participou do Dr. Alexander Kellner, do Museu Nacional/UFRJ (Rio de Janeiro, Brasil), que há vários anos vem colaborando com as pesquisas no Município de Cruzeiro do Oeste, PR. Para o Prof. Kellner ” esta descoberta demonstra o enorme potencial do Brasil para contribuir com o conhecimento da evolução dos vertebrados, o que pode ser exemplificado com o depósito de Cruzeiro do Oeste. Se com pouca verba já fazemos descobertas importantes, imagina se houvesse um investimento substancial na paleontologia brasileira”.

INSTITUIÇÕES PARCEIRAS

Esta pesquisa contou com a participação das seguintes instituições: Universidade do Contestado/CENPALEO; Museu Nacional/UFRJ; Universidade de Alberta, teve o apoio logístico da Prefeitura Municipal de Cruzeiro do Oeste, PR e foi autorizada pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) conforme processo 48400-000807/2012-94.


4 Comentários

  • Everton 26 de agosto de 2015 at 15:45

    A equipe do CENPALEO/UnC agradece ao apoio dado para que se faça a pesquisa crescer na instituição!

    Responder

  • Cirene Linzmeier Heyse 27 de agosto de 2015 at 16:30

    Parabéns a equipe do CENPALEO por mais esta conquista que é resultado de muito trabalho e estudo. É a Universidade do Contestado se projetando internacionalmente. Parabéns.

    Responder

  • CARLOS SENFF 1 de setembro de 2015 at 10:31

    Conquista merecida!!! PARABÉNS a toda equipe pelos brilhantes resultados que se acumulam.
    O nome da UnC está estampado em muitos noticiários nacionais e internacionais graças ao empenho e seriedade com que são conduzidos os trabalhos de pesquisa.

    PARABÉNS CENPALEO!

    Responder

  • Cristian Adriano Gruber 3 de novembro de 2015 at 18:55

    Parabéns aos Professores, Coordenadores e Pesquisadores do CENPALEO da UNC pela nova descoberta. A visitação ao acervo conta com uma equipe muito atenciosa e competente, é muito agradável, principalmente quando levamos alunos do Ensino Médio ao local como Professores.

    Responder

Deixe um Comentário